Eñe

Finalmente, depois de anos de vontade, fui conhecer o Eñe, restaurante dos irmãos espanhóis Javier e Sergio Torres. A proposta do restaurante é servir comida tradicional espanhola (com base nos famosos tapas), mas com uma interpretação alta gastronomia.
O couvert é composto de um prato de frios, pães de fabricação própria e umas deliciosas linguicinhas em miniatura, com um toque de páprica. Todos na mesa foram unânimes em decidir por um almoço 100% tapas. Segundo ponto positivo para a casa, pois ao perceber a empolgação da mesa o maitre logo sacou um netbook com cardápio completo, bem explicado e totalmente ilustrado. A mesa foi à loucura: as fotos eram fantásticas, queríamos experimentar tudo.
O que pedimos: Presunto fatiado finíssimo, desfazendo de tão fino, sabor maravilhoso, chegava a ser adocicado. Tartar de salmão com abacate e crocante de couve, que era gostoso, mas foi o prato menos impressionante. Salada de presunto com alface e tomatinhos, deliciosa e de montagem lindíssima, alternando camadas de alface e presunto formando um retângulo perfeito. Infelizmente acabei me atropelando e esqueci de bater as fotos destes pratos.
Prosseguindo (daqui pra frente com fotos). O próximo prato a chegar foi o polvo cozido a baixa temperatura, temperado com páprica e montado sobre uma rodela de batata cozida. Delicioso (e eu nem gosto de polvo), macio ao extremo com um sabor tostadinho e levemente picante.

A releitura de patatas bravas também fez tremendo sucesso: “copinhos” de batata frita cheios de um creme picante (um aiolli apimentado), em montagem delicadíssima.

Seguiu-se a porção de lulas com molho de açafrão, empanadas em massa leve e crocante, superou toda e qualquer lula frita que eu já tenha comido (e olha que foram toneladas).

Outro prato que nos seduziu pela simplicidade quase desconcertante foi a porção de ovos de codorna fritos sobre batatas chips. Descomplicado e maravilhoso, com a gema mole e só esperando uma pitadinha de flor de sal (que já estava na mesa) para tornar tudo perfeito.

Continuamos com a vieira com emulsão de salsinha, que vinha acomodada na colherona em purê de batata. Também saborosa e delicada, mas um pouco suave demais para aquele momento da refeição. Deveria ter sido o primeiro a ser degustado.

E ainda tivemos a coragem diante do aviso do encerramento da cozinha, de pedir uma porção de croquetas de jamon e outra de fundos de alcachofra com pancetta para terminar o banquete (ufa). Sequinho e composto de um bechamel bem grosso enfeitado por micro cubinhos de jamon, o croquete era cremoso e novamente surpreendeu pela delicadeza.

As alcachofras deram um susto em todos, pois vinham num caldo quente. Eram gostosas também, guarnecidas de cubos de pancetta e tomate, mas o caldo… o caldo era incrívelmente untuoso e de sabor intenso, preenchia a boca.

De sobremesa, churros com doce de leite e uma espécie de mousse de banana. Apesar de eu ter devorado, porque adoro churros, ficaria melhor algo um pouco mais delicado em apresentação e sabor, que se integrasse melhor aos outros pratos do cardápio. Um formato mais fino para os quitutes já resolveria a questão.

Acho que só encerramos esse almoço por pura falta de mais espaço na barriga e mais dinheiro na carteira. Eu sem conseguir parar de me perguntar porque demorei tanto para estar ali.
Comida tradicional desconstruídas e aperfeiçoada, em composições leves e delicadas, sem perder a simplicidade que torna tudo aquilo tão familiar e delicioso. Uma das melhores refeições dos últimos tempos foi a opinião unânime da mesa. Alguns mais abusados disseram até que é melhor do que os legítimos tapas provados em Barcelona. Eu não poderia dizer, nunca fui à Barcelona. Mas não duvido.

Fotos: Pedro Lourenço

Uma resposta to “Eñe”

  1. Leonora….ninguém me tira da cabeça que comida feita no Brasil não se come no resto do mundo!! Sobre o gosto que ainda não sai das paginas da net direto para a mesa…nada posso dizer mas … com certeza posso afirmar que quanto á apresentaçao….está ímpar! Digno dos melhores e mais sofisticados restaurantes de TAPAS encontrados no Centro Velho de Barcelona. Aos interessados, indico o restaurante SAGARDI http://www.sagardi.com/#barra e um tour virtual pela sua apetitosa”barra” (balcão) de PINTXOS …tapas tipica do pais VASCO.
    Beijo! Liana.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: